A BONDADE DE DEUS | World Challenge

A BONDADE DE DEUS

Gary WilkersonJanuary 18, 2021

O Atributo Que Nos Abençoa Completamente

A bondade de Deus não pode ser simplesmente compreendida. Ela transcende nosso entendimento, mas nos abençoa em todos os momentos de nossas vidas. Sua bondade não pode ser definida, mas conhecemos sua verdade por meio das escrituras e do testemunho do Espírito. Como pode qualquer ser humano entender a incrível bondade de Deus?

Tudo isso levanta uma questão séria: A bondade de Deus é realmente o que pensamos que ela é? Deus tem muitos atributos que não são muito populares entre os cristãos. Na Bíblia, lemos sobre seu julgamento, raiva, justiça e ira. A simples menção desses traços aparentemente “rígidos” em Deus faz com que muitas pessoas tremam de medo. No entanto, se o Senhor é bom e esses traços o descrevem, então também devemos considerá-los bons.

Por que, então, fechamos nossos olhos para características tão “rígidas”? Por que o efeito deles não nos leva para mais perto do Senhor, para adorá-lo plenamente como “verdadeiros adoradores que adorarão o Pai em espírito e verdade” (João 4:23, ESV)? Essas características não são parte da bondade de Deus também?

A primeira coisa a estabelecer sobre a bondade de Deus é que todas as suas características estão envolvidas em um ser singular e supremamente bom.

A bondade prevalecente de Deus é o que nos garante que, por exemplo, a justiça dele é importante. É também como sabemos que sua ira é uma coisa boa e não ruim. Além disso, seu traço de santidade nos transcende e está além do nosso alcance, mas Deus a liberta em nossos corações para transformar nossas vidas.

Ainda assim, quando os pastores pregam sobre esses traços impopulares de Deus, alguns cristãos pensam: “Ficarei feliz quando esta série de sermões acabar. Estou pronto para ouvir algo prático para minha vida”. Na verdade, cada aspecto do caráter de Deus tem implicações práticas para nossas vidas, incluindo as impopulares, porque cada um procede de sua bondade.

Uma palavra teológica pode ajudar aqui. É chamado de a simplicidade de Deus, significando essencialmente que Deus é um, que ele não está dividido em coisas diferentes. Ele não é um pouco de ira e um pouco de misericórdia; ele não é mais julgamento e menos compaixão. Cada atributo de Deus está envolvido em sua bondade, e podemos confiar em todos eles. Na verdade, se esse não fosse o caso, estaríamos em sério apuros.

Se Deus fosse somente o todo-poderoso, ele seria como o deus grego Zeus, lançando raios em nós sempre que lhe convinha. Um Deus todo-poderoso tem que ser um Deus todo misericordioso também. Juntos, esses traços constituem o que chamo de bondade muscular de Deus. É muscular porque mantém ambas as extremidades do espectro em igual poder. Sua bondade não é suave de um lado e dura do outro; é poderosa em todos os aspectos. Deixe-me ilustrar.

No World Challenge, nossos líderes usam um conhecido livro de missões chamado ‘Quando Ajudar Dói’. Ele fala sobre como as obras de misericórdia podem realmente prejudicar comunidades carentes se essas obras não forem feitas com um objetivo orientado pela justiça em mente. Veja, um presente em dinheiro ou suprimentos só ajuda uma comunidade empobrecida se aumentar sua dignidade e autossuficiência, em vez de alimentar uma dependência contínua. As agências missionárias aprenderam isso da maneira mais difícil ao longo das décadas. Compaixão sem um fim justo – justiça para os destinatários – carece de poder. Parece misericordioso, mas acaba sendo um gesto vazio que alimenta dependência em vez de dignidade.

O mesmo é verdade para características aparentemente “rígidas” de Deus, como seu julgamento justo. Devemos nos regozijar porque Deus exerce um julgamento justo; sem ele, a destruição do mal seria desenfreada. Sem a justa causa das Forças Aliadas para impedir o mal nazista, muito mais vidas teriam sido perdidas no holocausto.

Portanto, os atributos supostamente “mais suaves” de Deus não revelam fraqueza, nem os traços “mais duros” revelam rigidez. Todos os atributos de Deus são totalmente abrangidos e expressos em um ser extremamente bom.

Alguns movimentos da igreja constroem doutrinas inteiras em torno de características de Deus escolhidas a dedo que ignoram suas outras características.

Muito do evangelho da prosperidade enfatiza um tipo de pensamento positivo que se concentra apenas em receber coisas agradáveis na vida. Nesses círculos, todas as provações são vistas como vindas de Satanás e devem ser negadas e rejeitadas. O apóstolo Paulo pregou uma visão muito diferente das provações. Ele testificou à igreja em Éfeso que o Espírito Santo o levaria diretamente a provações que lhe causariam grande sofrimento. “Agora, eis que vou para Jerusalém, constrangido pelo Espírito, sem saber o que me acontecerá ali, a não ser que o Espírito Santo me testifica que em cada cidade, prisões e aflições me esperam” (Atos 20:22-23)

Paulo sabia que o sofrimento faz parte da vida cristã. Na verdade, é uma parte significativa de tomar a cruz de Cristo. É por isso que Paulo disse que devemos seguir todo o conselho de Deus, não apenas as partes agradáveis. “Não hesitei em vos anunciar todo o conselho de Deus” (Atos 20:27). Pregar todo o evangelho deu a Paulo uma consciência limpa diante de Deus, e isso aumentou sua autoridade.

Alguns veem a bondade de Deus incorporada em seu generoso ato de dar presentes. Frequentemente, porém, Deus pode expressar bondade negando coisas aparentemente boas a nós, mesmo quando as buscamos dele. Jesus descreve a generosidade de Deus quando diz: “Qual pai entre vós, se seu filho pedir um peixe, em vez de um peixe lhe dará uma serpente…?” (Lucas 11:11). No entanto, e se buscarmos o Pai por algo que é uma falsificação de sua bondade? Devemos esperar que Deus nos dê isso? Nesse caso, a retenção de Deus é tão misericordiosa quanto a sua permissão. Essa é a disciplina amorosa de um pai carinhoso e atencioso. Enquanto ele nos protege da falsificação, ele também preserva para nós o que é totalmente bom.

Todo o conselho de Deus é essencial de outra maneira. Se tivermos a tendência de evitar um aspecto de seu caráter, todo o conselho de Deus revela que nosso testemunho é incompleto. Por exemplo, se eu falo da graça de Deus, mas me recuso a reconhecer sua justiça, perco uma grande medida de autoridade.

O mesmo pode acontecer com movimentos rígidos de hipersantidade que negam o prazer humano. Quando eles pregam um Deus santo que nunca está satisfeito e apenas julga, aquele que invoca o medo sem amor compassivo, o verdadeiro testemunho do amor compassivo e misericordioso de Deus é perdido.

Figuras bíblicas de ambos os Testamentos reconheceram isso. Eles estavam familiarizados com o terno amor de Deus, ainda assim eles caíram em seus rostos em terror aterrorizado quando confrontados com sua presença sagrada. O justo profeta Isaías testificou: “Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros e habito no meio de um povo de lábios impuros; pois meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!” (Isaías 6:5). Algo semelhante aconteceu séculos depois, quando o Pai falou do céu no Monte da Transfiguração. Quando ele declarou: “Este é meu Filho amado, em quem me comprazo; ouçam-no”, todos os discípulos presentes “prostraram-se com o rosto em terra e ficaram apavorados” (Mateus 17:5-6). É uma cena de tremor, mas também reflete a bondade de Deus.

Somente quando os traços de Deus são vistos como um – julgando e perdoando, justo e misericordioso, transcendente e imanente, santo e compassivo – é que apresentamos todo o evangelho com plena autoridade. A bondade de Deus não é nem “suave” nem “rígida”; é profunda, completa e poderosa. Embora esteja além de nossa capacidade de compreender totalmente, ela exerce o seu bem de maneira total e poderosa em nós de maneiras práticas.

Como mudamos nossas lentes de leitura da Bíblia de “Como isso me beneficia?” para “O que isso me diz sobre o Deus supremamente bom?”?

Precisamos pedir ao Espírito Santo que nos dê uma nova lente para ler as escrituras. A Bíblia não é um livro de autoajuda de bênçãos. É um livro sobre Deus, que é totalmente bom, e sua mensagem sobre isso é séria.

Pense no jovem governante rico, um homem que pode ter levado uma vida tão perfeita e boa quanto qualquer outra pessoa poderia. Considere o que aconteceu quando ele se aproximou de Jesus. “Um homem correu e se ajoelhou diante dele e perguntou-lhe: ‘Bom Mestre, o que devo fazer para herdar a vida eterna?’. E Jesus disse-lhe: ‘Por que você me chama de bom? Ninguém é bom, exceto Deus’”(Marcos 10:17-18).

Claro, sabemos que Jesus é bom; ele é um terço da Divindade! Evidentemente, porém, esse jovem conhecia Jesus apenas como um mestre, não como divino. Então, Cristo se dirigiu a ele de acordo, dizendo que só Deus é bom. Jesus então provou que isso é verdade. Quando ele deu ao governante um desafio amoroso, a bondade de toda a vida do jovem vacilou.

“‘Te falta uma coisa: vá, venda tudo o que você tem e dê aos pobres, e você terá um tesouro no céu; e vem, segue-me’. Desanimado com a palavra, ele foi embora triste, porque tinha muitas posses”(10:21-22).

Amigo, se Jesus nos diz que existe apenas um ser bom em todo o universo, é melhor prestarmos atenção. Mesmo assim, a bondade desse ser para conosco é verdadeira, apesar de sabermos que vacilaremos. “E Jesus, olhando para ele, amou-o” (10:21).

Isso leva ao meu ponto final sobre a bondade muscular de Deus e todo o conselho de sua Palavra. Quando falamos sobre arrependimento, a maioria de nós imagina uma forte convicção do Espírito Santo enchendo nossos corações e nos causando aflição. Para muitos, o arrependimento se enquadra na categoria “rígida” das características de Deus. Mais uma vez, Paulo vem para o resgate, pregando: “A bondade de Deus visa levá-lo ao arrependimento” (Romanos 2:4). Deus deseja que seus traços de bondade e misericórdia nos levem ao arrependimento antes de experimentarmos coisas como sua justiça e santa ira.

Nosso Deus é totalmente bom e pode escolher qualquer caminho que desejar para nos levar ao arrependimento (o que, afinal, significa simplesmente dar meia-volta e seguir na outra direção). É hora de aceitar sua disciplina e seu amor, pois ambos estão envolvidos em um Deus supremamente bom. Essas são realmente boas notícias.

Download PDF