LOUVOR É A ÚLTIMA PALAVRA | World Challenge

LOUVOR É A ÚLTIMA PALAVRA

Gary WilkersonMay 18, 2020

O Poder da Gratidão Nas Suas Lutas Mais Profundas

Não sei se você acredita em amor à primeira vista, mas Jacó acreditava. Quando ele viu Raquel pela primeira vez, ele sabia que queria se casar com ela. “Raquel era bonita em forma e aparência. Jacó amava Raquel. E ele disse [ao pai dela, Labão]: ‘Eu te servirei por sete anos para ter sua filha mais nova, Raquel’” (Gênesis 29:17-18, ESV).

Foi assim que me senti quando encontrei Kelly, que se tornou minha esposa. Quando nos conhecemos na adolescência, de bom grado teria trabalhado sete anos se isso significasse que eu poderia me casar com ela. Eu sei exatamente como Jacó se sentiu.

Seu sogro, Labão, no entanto, pregou uma peça nele. Quando chegou a noite de núpcias, Labão enviou a ele a irmã de Raquel, Lia. Jacó não percebeu até a manhã seguinte que ele se casou com Lia, e não com Raquel. “E Jacó disse a Labão: ‘O que você fez comigo? Eu não servi com você por Raquel? Por que então você me enganou?’” (29:25).

Labão concordou em deixar Jacó casar com Raquel também, se ele trabalhasse mais sete anos. Jacó concordou de bom grado, mas imagine como Lia se sentiu. Ela sabia que Jacó não a amava. Ela se sentiu indesejada, uma rejeitada do seu próprio casamento.

Então Lia decidiu tentar fazer Jacó amá-la. Isso dirigiu tudo o que ela fez. Ela argumentou: “Ter filhos mostrará a ele que sou digna do amor dele”.

Como Lia, muitos de nós dirigem nossas vidas por nossas feridas, tentando provar nosso valor a alguém ou ao mundo.

Quando se trata do amor de Jesus, muitos cristãos adotam a abordagem de Lia. Eles se dedicam a obras ou esforço próprio para tentar provar que são dignos dele. Mas nunca poderemos ganhar o amor de Jesus por uma simples razão: Ele já nos ama.

Deus já se importava com Lia, e ele misericordiosamente agiu em favor a ela. “Quando o Senhor viu que Lia era desprezada, ele abriu seu ventre… E Lia concebeu e deu à luz um filho, e ela chamou seu nome de Rúben, pois disse: ‘Porque o Senhor olhou para minha aflição; por isso agora meu marido vai me amar’” (Gênesis 29:31-32, minha ênfase).

Lia se sentiu vista em sua dor. De fato, ela ficou tão agradecida que nomeou o filho em homenagem à bondade misericordiosa de Deus. Infelizmente, isso não mudou o casamento dela com Jacó, então ela se esforçou ainda mais para conquistar o amor dele.

“Ela concebeu novamente e deu à luz um filho, e disse: ‘Porque o Senhor ouviu que eu sou desprezada, ele também me deu esse filho’. E ela chamou seu nome de Simeão” (29:33, minha ênfase). Lia se sentiu ouvida por Deus. Um ouvido atento nos diz que temos importância.

Ao ler a história de Lia, penso em uma profunda luta pela qual minha esposa, Kelly, passou. Ela tem uma voz cheia de verdade e poder, mas Satanás atacou esse dom dela. Isso foi especialmente difícil para Kelly, porque desde seus primeiros anos, todos reconheciam que seu canto maravilhoso revelava seu ser mais íntimo, do louvor ao lamento, à alegria e a todas as emoções humanas. No entanto, durante seus anos críticos de formação, Kelly sentiu que deveria engarrafar seu profundo senso de si mesma. O coração de uma jovem estava fechado de uma maneira que Deus nunca quis para ela.

Felizmente, o Senhor ouviu o clamor interno de Kelly da mesma maneira que ouviu o de Lia. Através de uma profunda obra de graça, minha esposa encontrou sua voz nos relacionamentos e na música. Agora, o dom dela abençoa públicos em todo o mundo enquanto ela canta em nossas conferências, ministrando o evangelho de cura de Jesus.

Infelizmente para Lia, ela ainda não se sentia amada, então deu à luz um terceiro filho. “Novamente ela concebeu e deu à luz um filho, e disse: ‘Agora, desta vez, meu marido se apegará a mim, porque eu lhe dei três filhos’. Portanto, o nome dele se chamava Levi” (Gênesis 29:34, minha ênfase). O nome Levi sugere “pertencer” ou “conexão”. Lia raciocinou: “Com três filhos, Jacó realmente se apegará a mim agora”.

Isso ainda não aconteceu. Lia se sentia como muitos na igreja hoje: apesar da aparência de bênçãos, eles sentem uma profunda dor por não serem vistos, ouvidos ou conectados.

Nenhum de nós chegou a esta terra por engano.

Desde o início, somos vistos pelo Senhor, ouvidos por ele e conectados a ele. De fato, Deus molda cada um de nós para o apego, mas nossos primeiros traumas podem nos fazer sentir que precisamos conquistar nosso apego aos outros. Esses traumas podem nos levar a uma vida cheia de conflitos, procurando por algo que achamos que não temos.

Penso especificamente em dois tipos de trauma. A primeira é quando algo acontece conosco que não deveria. Eu tenho um amigo que, quando jovem, foi cruelmente espancado por sua mãe. Ela o trancou em um armário por dias inteiros. Ele sofreu alguns dos piores abusos que já ouvi e isso causou-lhe um trauma grave. Ele quase não sobreviveu.

Quando ele fez doze anos, pegou um pedaço de corda, subiu em uma árvore e ficou em um galho pronto para se enforcar. Felizmente, seu irmão o viu e implorou para que não seguisse em frente. Isso salvou sua vida. Alguns anos depois, o garoto conheceu meu pai, um evangelista de rua, e foi resgatado pelo amor de Deus. Nicky Cruz deu seu coração a Jesus, e sua vida foi renovada completamente. O amor de Cristo o libertou de traumas que quase o destruíram.

Um segundo tipo de trauma tem efeitos internos que também são profundos. Esse trauma pode ocorrer quando algo não aconteceu na infância, mas deveria ter acontecido. As pessoas que sofrem esse trauma tendem a escondê-lo dos outros, porque não parece digno de simpatia.

Eu experimentei uma forma desse trauma. Sempre ficarei feliz que meu pai tenha seguido o Espírito Santo em seu chamado como evangelista, mas sua exigente agenda de viagens deixou um poço vazio em meus irmãos e em mim. Eu não tive o tanto do meu pai que eu queria, e compensei esse vazio aprendendo a me desligar. Eu não lidei com esse problema até os trinta anos.

Eu me senti um pouco como Lia, pensando: “Eu não sou visto. Eu não sou ouvido. Eu não estou conectado a alguém cujo amor eu preciso desesperadamente”. Eu tinha um ferimento no coração, e a única maneira que pensei em lidar com isso foi com realizações. Comecei programas, ministérios e igrejas; mas nada disso foi suficiente para silenciar o roer no meu coração. É isso o que muitos de nós fazemos com a nossa dor; tentamos criar uma vida que imaginamos que curará as feridas.

Se construirmos uma torre de realizações no alicerce de uma ferida central, ela está fadada a desmoronar.

Eu construí minha torre pessoal em obras religiosas. Como isso nunca encontrou minha fome principal, eu sempre fui levado para a próxima coisa. Como Lia, eu gritava por dentro: “Olhe para mim, me ouça, conecte-se comigo”.

Um dia, tive a visão de ficar em cima de um andaime. Eu tive que erguer essa estrutura para poder continuar construindo minha torre mais alto. Então o andaime começou a balançar. Olhei para baixo e vi Jesus segurando as barras. “Obrigado, Senhor”, eu gritei. “Eu preciso que o Senhor estabilize isso!”. No entanto, Jesus estava sacudindo o andaime.

“Senhor, o que você está fazendo?” Eu chorei. “O Senhor vai derrubar tudo!”.

“Bom”, ele disse. “Deixe tudo cair”.

Recebi a mensagem. Estava na hora de descer da estrutura precária que eu construí sobre uma base móvel.

“Eu vejo você, Gary”, Jesus me assegurou, “assim como eu vi você se formar no ventre de sua mãe. Hoje eu ouço seu coração chorar. Quantas vezes minha Palavra diz: ‘Invoca-me e eu responderei’? Eu criei você e hoje digo a você: ‘Você é perfeito aos meus olhos’”.

Lia experimentou esse tipo de graça, depois que seu quarto filho nasceu (Gênesis 29:35). Ela nomeou seu bebê Judá, cujo nome significa “louvor”. Ela declarou, em essência: “Chega de tentar superar meu profundo senso de que nunca sou suficiente. Deus me fez digno. Ele me vê e ouve, e seu amor me liga a ele o tempo todo!”.

Infelizmente, Lia voltou aos seus modos antigos e inseguros. No capítulo seguinte, ela entrega sua serva a Jacó para ter dois filhos e depois “compra” Jacó com mandrágoras para ter mais dois filhos com ele (30:9-21). Se ao menos ela tivesse descansado na poderosa graça e amor que a ela foi demonstrada por Deus e confiado nisso, pelo menos por um curto período, após o nascimento de Judá.

E você? Quando você sente que sua vida não é vista por Deus, você o louva mesmo assim? Você continuará confiando nele, mesmo que ele não lhe dê o objeto de seu desejo? Quando outros não lhe derem o crédito devido, você ainda oferecerá gratidão a ele? Quando você se sentir derrotado por dívidas crescentes, um relacionamento familiar tenso ou uma fraqueza física, então você cantará seus louvores?

Alguns podem ler isso e dizer: “Parece cruel ter que louvar a Deus quando estou no meu ponto mais baixo”. Amigo, Jesus está continuamente trabalhando por você, especialmente quando você está no seu ponto mais baixo. Ele é digno de louvor, não importa qual seja o seu estado emocional, porque o seu amor abrangente é o seu fundamento constante. Ao louvá-lo, você encontrará cura para suas feridas.

Você não precisa mais se esforçar. Descanse nas palavras dele para você. Qualquer trauma que você sofreu é resolvido completamente em Jesus. Não importa o que você pode vir a enfrentar, pelas suas pisaduras você será curado. Esse é o seu louvor. Fale isso com ele, cante isso a ele, ore isso a ele e experimente sua cura.

Download PDF

DAILY ENCOURAGEMENT IN YOUR INBOX

Sign up now to receive our Daily Devotional or E-newsletter.

SUBSCRIBE